22 Dez 2017

Em homenagem ao homem mais doce que já conheci

amizade, amor, família

E é com pesar que num dia tão bonito eu venha escrever essas palavras.
Parte de mim se perde, muitas das nossas memorias pouco a pouco desaparece.
Consolo, tristeza, inquietação se misturam em um nó. Aos poucos espero que as lagrimas os desatem.

Fico aqui pensando em todas as vezes que não tive paciencia, que brigamos e que fizemos as pazes, em todas as promessas de jantares que não pudemos realizar. Fico triste em pensar que estou tão longe, quando deveria estar ai perto. Eu sei que você pode me perdoar por isso, e assim, eu vou tentar não ficar triste e me perdoar.

Eu não pude te dizer adeus, mas eu prefiro pensar que será apenas um longo até breve. acho que essa é minha maneira de te homenagear, fazendo algo que você fazia tão bem, escrever. pra tentar de alguma forma me despedir e te guardar por mais um tempinho aqui comigo.
Obrigada por tudo que me ensinou e espero que minhas palavras de alguma forma o alcancem e te deem a tranquilidade que você tanto aprecia, alem de um buffet infinito de japonês, carnes e sobremesas.

Sou grata a você pelos conselhos, até os que não segui, pelas risadas, pelas conversas, e até por você me chamar de malvada sobrinha, vou guardar para sempre tudo que pude aprender com você.

Sou grata pelo tempo que passamos juntos, e por tudo mais que não consegui te dizer. Eu sei que você ficará bem, e que nós aqui também. Afinal, da terra todos viemos e para ela todos voltamos e assim seguimos nosso ciclo. Descanse tio, nos veremos novamente.
yule

#

Mari Helou
Postado por: Mari Helou, em 22, Dez, 2017, às 7:13 PM
Na categoria: amizade, amor, família

Batizada pelos pais com o nome de Mariana, prefere ser chamada de Mari. Nasceu em São Paulo, no ano do Dragão, em um dos momentos em que o sol passava pela casa de virgem, capricórnio alcançava a linha do horizonte, e a lua dava um olá para peixe.. [ ++ ]

Nenhum comentário em “Em homenagem ao homem mais doce que já conheci”


Deixe seu comentário